segunda-feira, maio 02, 2005

Desabafo para consumo interno

Como devem imaginar, ao estar a trabalhar fora do meu país, deparo-me com muitas situações merecedoras de um comentário. Porém, sobre Cabo Verde, e por razões contratuais e de respeito pelo país que represento, tenho evitado fazer comentários depreciativos ou de índole político. Tenho também evitado falar sobre os problemas que os professres cooperantes que aqui trabalham enfrentam. Pois, não se pense que tudo é um mar de rosas. A verdade é que a nossa situação profissional, e o próprio Projecto de Cooperação, está muito aquém do desejável. Talvez por isso, fosse normal que os mais interessados nesta situação, ou seja os cooperantes, fizessem algo para a alterar. Mas é precisamente o contrário que acontece. Coisa típica de português, eu acho. Todos têm problemas. Todos têm opiniões. Todos dizem mal. Todos acham que sim. Mas depois, todos são inconsequentes e incapazes de se unirem em redor de um objectivo comum. Muitos dizem-me, que não vale a pena e que já não estão para se chatear. No fundo, acreditam é que haverá sempre alguém a fazer o nosso papel, a lutar pelos nossos direitos. E isso incomoda-me. Aliás, confesso que este sentimento de resignação e desinteresse, mais do que me incomodar, já me começa a chatear. Parece que estão todos conformados com este fatalismo que julgam traçado. Porém, eu ainda acredito que estamos a tempo de fazer algo. Nem que seja apenas a nossa parte. Nem que seja só pelos nossos interesses pessoais...

3 Comments:

Blogger Tiagão said...

Lá tá o teu lado de esquerda, Avante camaradas, avan...

1:46 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

acho que tens toda a razão... lutar para melhorar, para contribuir com algo, é sempre mais dificil do que se conformar, e do que ir pelos caminhos mais faceis, pelos "atalhos", e depois dizemos: "O sistema é assim.. sou só uma formiguinha"
arrhhhh
nao é preciso ser-se nenhum revolucionario político, acho que Deus nos ensina a sermos revolucionarios a cada dia na nossa maneira de pensar e de agir, com um propósito grande no meio dos aspectos que nos parecem mais pequenos...
força! beijinhos
susana

4:06 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Deixa-me adivinhar as tuas reivindicações:
365 dias de férias por ano... no mínimo... (não vá ser ano bisexto).

eheheheh
Silvia

11:53 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home