segunda-feira, janeiro 31, 2005

O desavisado

Um desavisado (brasileiro, claro) estava assistindo o jornal da tarde (RTP), assim meio que almoçando ao mesmo tempo, quando solta essa: Mas até o Michael Jackson anda envolvido nesse processo da Casa Pia?! Esses artistas estão todos perdidos mesmo... coitadas das crianças...

Constatações pedagógicas

Já repararam que um gajo para pedir aos outros para deixarem de gritar tem de o fazer aos gritos?

Já repararam que quando duas crianças se envolvem numa briga a forma de as repreender, antes de dizer que bater é feio, é mandar um estalo a cada uma?

Eles já estão fartos

Eles já estão fartos de saber que a Guerra existe.
Eles já estão fartos de saber que a Fome existe.
Eles já estão fartos de saber que a Família existe.
Eles já estão fartos de saber que a Igreja existe.
Eles já estão fartos de saber que o Estado existe.
Eles já estão fartos de saber o que os deixam fazer.

(...)

Eles já estão fartos de saber o que tu queres deles,
Eles já estão fartos de saber quem quer vendê-los.
Eles já estão fartos de ouvir dizer: tem que ser.
E agora eles tentam viver doutra maneira qualquer.

Jorge Palma

Um grande sorriso para começar bem o dia!

By Sandra

domingo, janeiro 30, 2005

Desemprego

Pois é. Diante da crise, o que não faz um indivíduo para ganhar uns trocados? Até participar de blog alheio. A proposta do Coisas Breves era tentadora e pensei: Por que aceitar, por que não aceitar... aceitei-o-o.

Dúvida existencial

Porque é que as pessoas vão todas para o quinto dos infernos? Os outros quatro já estão cheios, é?

Olá pela primeira vez

Pois é, tive a honra de ser convidada pelo João Filipe para fazer parte deste blog. Não sou grande fã de blogues mas o convite era tão tentador. Porque simplesmente adoro este sítio da net, desde que ele nasceu. Deixo-vos um texto, espero que tenham paciência para o acabar de ler e espero, ao longo das minhas colaborações, não baixar muito o nível de qualidade do Coisas Breves.

A luz permanece

Estejas onde estiveres consegues sentir a água da torneira resvalar pelas mãos e fazer redemoinhos entre os dedos. Há bolhinhas que se formam, sobem e vão acabar na tua cara. Não importa o mar que vês pela janela do quarto, sabes que a cortina tem várias cores, várias formas de reagir à luz do sol e dança quase imperceptível na brisa. Em todas as terras há fontes que correm sabiamente. As pessoas que vês na rua podem ser diferentes, mas as possibilidades de as amares são as mesmas. As conversas sobre o tempo são as mesmas. Podemos sair de casa e correr o mundo, mas a única coisa que acabamos por procurar em todos os cantos do mundo é a luz que víamos na infância. No início pensamos que todas as estradas que percorremos são uma fuga, mas acabamos por perceber que estamos só a encontrar o caminho de volta.

Não importa se vi mais vezes, deslumbrado, as folhas de videira brilharem ao sol do meio dia de inverno. Ou se as vi como sangue ao pôr do sol. Aqui a luz permanece. Só é importante eu ter voltado e sentir-te ainda infinitamente mais rica. Sentir que todas as pessoas que conheci não serviram de guia rápido para agora te conhecer e perceber. Quando deito a cabeça no teu peito e tento ouvir o teu coração a bater, sei que estou em casa. E os teus braços são um mundo muito maior que aquele que me separou de ti durante estes anos.


Bem vindos

Pronto. Finalmente, o Coisas Breves já tem o seu painel de colaboradores completo. João Narciso, Liliana, Renata e Seis e Meia. Agora é que vai ser bom.

A política do vale tudo

Tinha dúvidas que o boato, acerca do relacionamento de José Sócrates com Diogo Infante, fosse usado na campanha eleitoral. Depois de ver a capa do Crime, da Visão e de, essencialmente, ouvir Santana Lopes, ontem, a pedir que o PS esclareça a sua posição quanto aos casamentos homossexuais, as minhas dúvidas dissiparam-se. A campanha de intoxicação começou e todos sabemos quais são os seus objectivos. Assim, tenho quase a certeza que, a quatro ou cinco dias da campanha terminar, um dirigente do PSD fará essa insinuação ou acusação na presença da comunicação social, colocando tal notícia nos telejornais, de forma a condicionar a campanha e assim influenciar o eleitorado. Ou têm dúvidas que Santana Lopes fará tudo para não perder o poder? Inevitável.

Actualização: ler este artigo no jornal público. E este de José Pacheco Pereira

Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luis Vaz de Camões

Persistência

in Afixe

sobre paz e amor (tirando a interpretação "hippie" dos termos..)

peace and love, but more peace than love because with peace you make love, but with love you don't have peace...

sábado, janeiro 29, 2005

Cada um fala daquilo que tem mais necessidade

Na falta de assunto melhor, hoje, escrevo sobre o amor. Entre um homem e uma mulher, entenda-se. Não é que eu seja um especialista na matéria. Muito pelo contrário. Mas, mesmo assim, vou arriscar em dizer umas coisas. Comuns. Sem sentido. E breves. Claro.

Todos sabemos que amar não tem nada que ver com a ideia que é transmitida nos filmes. Porém, de alguma forma, os filmes, consciente ou inconscientemente, estão contribuindo para que nunca amemos ou amemos mal. Por um lado, fazem-nos confundir amor com paixão, banalizando-o, por outro, colocam o amor num estado tão idílico e perfeito que, com tanta desilusão e frustração, julgamos ser utópico, impossível de alcançar.

Mas afinal o que é amar? A resposta a esta pergunta é, obviamente, pessoal. Cada um pode falar por si. Por isso, e infelizmente, não tenho resposta. No entanto, estou cada vez mais consciente que amar é muito mais que uma paixão e muito mais do que um simples "amo-te". De facto, não posso dizer que amo só porque alguém preenche o meu vazio, satisfaz as minhas necessidades ou me faz sentir bem. Redutor e passageiro. Digo eu.

Lembro-me de uma conversa que tive há uns tempos, em que alguém me explicava o porquê dos casamentos por conveniência, especialmente os judaicos dos tempos bíblicos. Explicavam-me então que a concepção de amor era diferente, pois acreditava-se que amar dependia de uma decisão, de uma atitude. Assim como perdoar depende. Explicando melhor. Se você acredita que pode perdoar alguém, de coração sincero, então também poderá amar. Depende de si, da sua cultura, das suas expectativas. Claro, que isso hoje é muito difícil de aceitar e até compreender. Se ninguém perdoa de coração, muito menos ama. Contudo, apesar de isto me parecer algo de radical, e até polémico, acredito que tenha um pouco de verdade. E é por esse pouco que pretendo chegar ao meu ponto.

Estou certo que o amor verdadeiro é fruto, também, de uma decisão e um compromisso. Claro que terá que haver um sentimento forte, possivelmente até de paixão, não sei. Mas o que quero dizer, este é o ponto, é que muitas vezes, não estamos dispostos a amar e desejamos muito amar. Vivemos à espera da princesa encantada, como que um milagre, tal como nos filmes, acontecesse. E depois desiludimo-nos. Antes de amar é necessário decidirmos fazê-lo. Não quer isso dizer que devemos amar pela razão. Pelo contrário. No entanto, tem de haver uma atitude em nós, intencional, racional, de preservar e construir o amor, isto é, temos de comprometer-nos racionalmente com o amor e não entregar tudo à emoção, que como sabemos, é, muitas vezes, inconstante e enganadora. E p(r)onto. Tenho dito.

Nota: Após alguns protestos, decidi alterar um pouco o último parágrafo, pois concluí que acabei por transmitir uma ideia diferente da que queria. Não sei se melhorou. Mas agora vai ficar assim mesmo.

Amor é bicho instruído

Amor é bicho instruído
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Carlos Drummond de Andrade

A união faz a força

Goya

Frase do dia

Desisti de ser feliz. Agora me sinto muito menos infeliz

sexta-feira, janeiro 28, 2005

quando crescer quero ser baterista... o dificil vai ser conciliar as duas coisas...

(pensamento egoista e pessoal)

Sexta feira (2ª edição)

Adoro os fins de tarde de sexta feira. Parece que o cansaço, acumulado ao longo da semana, se esvai com o toque do sino da última aula. A sensação de não ter nada para fazer me invade e me devolve a liberdade. Confesso, que gosto não ter nada para fazer, para poder fazer o que me apetece. E neste momento, apetece-me deitar, e ficar a olhar para o tecto até os meus olhos fecharem de vontade. Até logo.

Bairro do Amor

No bairro do amor a vida é um carrossel
Onde há sempre lugar para mais alguém
O bairro do amor foi feito a lápis de côr
Por gente que sofreu por não ter ninguém

(...)

Eh, pá, deixa-me abrir contigo
Desabafar contigo
Falar-te da minha solidão
Ah, é bom sorrir um pouco
Descontrair-me um pouco
Eu sei que tu compreendes bem

Jorge Palma

A prova: Gnr tortura crianças no Iraque

By Anabela

quinta-feira, janeiro 27, 2005

só para dizer que já chegei...
espero estar À altura deste grande blog
(em tamanho e não só)

peace []**


Sérgio Rodrigues aka seis_e_meia

Boas Vindas

Depois de suportar sozinho este blogue durante três meses, chegou a hora de o tornar melhor. Para tal, convidei uns amigos para comigo partilharem este espaço. O primeiro a aceitar o convite foi o Sérgio, que assinará como seis e meia. Na certeza que o seu contributo vai ser um valor acrescentado a este blogue, desejo-lhe as maiores felicidades. A partir de hoje este blogue é o teu blogue. Bem vindo.

Frase do dia

Contento-me com pouco, mas desejo muito. Cervantes

Benfica - Sporting

Tinha prometido, para mim mesmo, nunca mais falar de futebol, em especial do Benfica. Mas, depois do jogo de ontem, repensei que talvez não fosse boa ideia. Se eu não dizer nada hoje, corro o risco de nunca mais ter uma oportunidade como esta para o fazer. Não quero fazer uma análise ao jogo. Excelente, por sinal. Apenas reafirmar, apesar da vitória, que este Benfica não me convence. Ontem, apesar de não termos jogado mal, acabámos por vencer num acto de sorte. Mais, apesar de sermos a única equipa portuguesa a lutar nas três frentes, não somos a equipa que apresenta o melhor futebol. Continuamos com um plantel desequilibrado, dependente de Simão, e por isso é urgente buscar um número 10, um ponta de lança e um médio direito de reconhecidas qualidades. E já agora um departamento médico, ou um novo preparador físico, porque tanta lesão muscular é demais. Se fizerem tudo isto, certamente que vou voltar a acreditar porque, por agora, nem elogiar o equipa consigo. Nota final para referir que, sem nenhuma dúvida, o estádio da luz cheio é o estádio mais bonito e espectacular, pelo menos visto de dentro, de Portugal. Quando o Benfica ganha, claro.

Lamento

Ao que parece, o meu blogue político favorito, Bloquitica, fechou as portas. Uma pena. Digo eu.

Se

Você disse que não sabe se não
Mas também não tem certeza que sim
Quer saber?
Quando é assim
Deixa vir do coração
Você sabe que eu só penso em você
Você diz só que vive pensando em mim
Pode ser
Se é assim
Você tem que largar a mão do não
Soltar essa louca, arder de paixão
Não há como doer pra decidir
Só dizer sim ou não
Mas você adora um se...

Djavan

Templo é dinheiro!

Templo da Igreja Universal / RJ / Brasil

quarta-feira, janeiro 26, 2005

Provérbio Português

Não se devem emprestar livros nem mulheres. Nunca devolvem os livros; as mulheres, sempre.

As minhas modas

Apesar de ainda ser um jovem, na flor da idade, já passaram por mim algumas modas, especialmente quanto ao vestir. A primeira que me recordo, devia ter uns 10 anos, foi a de usar as calças arregaçadas, com duas ou três dobras na bainha, de forma a se poder ver bem os ténis, quase sempre comprados nas feiras, que por sua vez tinham a pala puxada ao máximo e os atacadores atados à volta da canela em duas ou três voltas. Lembro-me , também, de a minha irmã dizer que aquilo ficava horrível e de eu não ligar nada por achar qu estava o máximo.

Depois, com 13 ou 14 anos, recordo-me da mania de usar ténis de marca. Sem contar os famosos Sanjo tipo bota, que o meu pai insistia em comprar-me, os primeiros ténis a sério que tive foram uns Le coq Sportif vermelhos, que, por acaso, já estavam completamente fora da moda. Mas, mais tarde, quando quase todos já tinham uns, lá tive os meus adidas Stan Smith. Tive dois ou três pares consecutivos e, devo dizer, que foi a altura que fiz mais sucesso com as raparigas.

Com 15 ou 16 anos, ainda nos ténis, a moda foi os All Star, vermelhos, brancos e azuis. Toda a gente os usava, por muito sujos que estivessem. Aindaandei uns anos nisso. Por essa altura, usei também as minhas primeiras calças de marca. Uniform. Quem tinha umas calças destas era logo considerado de outra forma. Além de cuatarem 10 contos, andei a trabalhar nas obras para as poder comprar, eram associadas aos meninos mais cool's e populares da escola. Por gostar tanto delas, chegava as usar de dia e lavá-las e secá-las durante a noite. Por causa disso, por duas vezes, roubaram-me as calças do estendal. Confesso, que foram as calças que gostei mais de ter, pelo menos, até começarem a aparecer as imitações nas feiras.

Dos18 até aos 20 anos, foram as calças de ganga Levis. 501, claro. Depois os sapatos de vela. Hoje não sei bem, mas certamente que daqui a uns anos me irei lembrar...e rir, tal como me rio ao recordar tudo isto, da minha linda figura actual.

Iluminado

Deixem-me partilhar com vocês um dos bons blogues de humor que descobri nestes últimos dias. O Iluminado. Como exemplo ficam estes dois posts. Quanto a mim, até logo, com qualquer coisa original. Espero.

Casa
Quando saio à rua, a minha casa fica situada no meu lado direito, mas quando volto, no esquerdo. Tenho de apontar isto numa cábula qualquer, porque já me começo a aborrecer por ser constantemente preso por invasão de propriedade alheia.

Luta
Na escola, dizem que sou um cobarde, só porque viro sempre as costas a uma luta. Ninguém me compreende. Eu corro no sentido contrário à luta numa tentativa de surpreender o inimigo pelas costas e aproveitar o factor "a Terra é redonda". Mesmo que depois acabe sempre por me cansar e ir para casa.

Homenagem a Manuel Lopes e a Cabo Verde

Nós somos os flagelados do Vento-Leste!
A nosso favor
não houve campanhas de solidariedade
não se abriram os lares para nos abrigar
e não houve braços estendidos fraternamente para nós

Somos os flagelados do Vento-Leste!
O mar transmitiu-nos a sua perseverança
Aprendemos com o vento o bailar na desgraça
As cabras ensinaram-nos a comer pedras para não perecermos

(...)

Somos os flagelados do Vento-Leste!
Os homens esqueceram-se de nos chamar irmãos
E as vozes solidárias que temos sempre escutado
São apenas
as vozes do mar
que nos salgou o sangue
as vozes do vento
que nos entranhou o ritmo do equilíbrio
e as vozes das nossas montanhas
estranha e silenciosamente musicais

Manuel Lopes ( Escritor Cabo Verde falecido ontem)

A imaginação vale muitas viagens e é mais barata

Goya

terça-feira, janeiro 25, 2005

Perguntas indiscretas

Andava eu todo contente com o meu novo perfume Hugo Boss, que me custou os olhos da cara, quando uma das minhas alunas se virou para mim e perguntou:
- O professor tem um novo perfume, não tem? Comprou nos chineses, não foi?

Saber evolutivo

- Pai, quem é que sabe mais? Os pais, ou os filhos?
- Claro que são os pais, minha filha.
- Então porque é que não foi o pai do Darwin a elaborar a teoria da evolução?

[Post roubado do a-metamorfose]

Frustrações bloguistas ... bahhh

Acordei. Como sempre, liguei a internet, para fazer a revista de imprensa, e bloguista, diária. Uma hora nisto e nada de entusiasmante. Nada que me inspire a escrever um bom post. Ainda tentei começar, por três vezes, mas em vão. De qualquer forma, aqui ficam as minhas, frustradas, tentativas:

Tentativa 1:

O papel de um professor não se resume a ensinar os conteúdos da disciplina que lecciona. Cabe, também, ao professor contribuir na formação dos alunos enquanto cidadãos, a respeitarem regras, a serem solidários, a terem respeito uns pelos outros, a terem sentido crítico. E como a escolarização se estende por dez ou vinte anos a escola é certamente um lugar de aprendizagem essencial. Assim ... bahhhh

Tentativa 2:

Tenho para mim que o bom funcionamento de uma escola depende em muito da capacidade das pessoas que constituem a sua direcção. No entanto, quem faz a escola, são os seus professores, com os seus alunos e com os funcionários, com quem nos cruzamos a cada passo ... bahhh

Tentativa 3:

"não me fale de vida, não tem direito a falar de vida (...) o senhor não sabe o que é gerar uma vida. Não tem a mínima ideia do que isso é. Eu tenho uma filha. Sei o que é o sorriso de uma criança. Sei o que é gerar uma vida" (...)» Francisco Louça

Não pretendo falar em concreto sobre o conteúdo desta frase. No entanto, ela serve para demonstrar aquilo que defendo há já muito tempo. O Bloco de Esquerda é um embuste, constituído por intelectuais frustrados à procura de protagonismo e glória, e de ocupação, que se escondem atrás de posições avulsas, populistas e demagógicas. Além disso, é um partido sem coerência ideológica, que cresce à custa dos descontentes e desiludidos que não sabem para onde ir. Quem perde é o país, porque deles só se pode esperar uma política de bota abaixo ... bahhh


E pronto. Desisti. Agora vou fazer o almoço. E lavar a loiça ... bahhhh

Poema Inconjunto

Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

Alberto Caeiro

O maravilhoso da fantasia é nossa capacidade de torná-la realidade.

Goya

segunda-feira, janeiro 24, 2005

Para não dizerem que hoje não falei de futebol!

Hoje, durante uma furo nas aulas, estive a jogar futebol com os meus alunos, no pátio da escola. Futebol de três contra três, com balizas de um passo. Não imaginam a alegria que isso me deu. A mim e a eles, diga-se. Apesar de só me ter aguentado 10 minutos, fui considerado um dos melhores seis em campo. O jeito continua lá, o pior são as pernas. E os joelhos. E a idade.

Os domingos da Vila

O dia mais animado, na vila da Ribeira Brava, é o domingo. Cumprindo a tradição, toda a gente sai de casa para se reunir na praça, o local mais carismática da vila. Desde as 17 horas até à uma da manhã, a praça fica cheia de pessoas, que se reúnem em pequenos grupos, para conversar, beber e comer, tudo ao som de uma música bem alta que sai de um dos bares próximos. Quem não souber que isto se trata de uma tradição semanal, certamente que julgará que ali está a decorrer uma festa ou qualquer coisa do género. O que me tem intrigado é o facto deste acontecimento semanal ser ao domingo e não ao sábado. E a verdade é que ninguém me sabe explicar.

Ir à praça ao domingo é acima de tudo um acto social. Das crianças aos mais velhos todos têm o seu espaço. As crianças brincam à volta da praça num corrupio constante. Os mais velhos, especialmente homens, juntam-se num canto específico da praça ou então junto a algum dos bares ali existentes. Os Jovens ficam encostados ao muro, de frente para a estrada, que limita a praça. Os rapazes, obviamente, aproveitam o dia para irem mandando uns piropos às meninas, que, quase sempre, passam o dia de um lado para outro, como de um desfile se tratasse. Porém, os mais conservadores, descem ao piso inferior da praça, e aos pares, de mão dada, ficam a noite a fazer grogue, isto é, ficam horas a fazer voltas contínuas à praça num ritual de cortejamento único. Afinal, para alguns, a tradição ainda é o que era. Ou não.

Frase do dia

Sabe o que significa voltar para casa à noite e encontrar uma mulher que lhe dá amor, afeto e ternura ? Significa que você entrou na casa errada. Só isso. Henry Yungman

Tempo de Antena

Estive a ler o programa de governo do PS. Não posso dizer que fiquei impressionado. Pareceu-me um programa sério, realista apesar de um pouco vago. Registo, porém, com agrado que o PS não caíu na tentação de propor medidas populistas. Prefiro assim. De facto, em tão pouco tempo penso ser impossível fazer melhor. De qualquer forma, fica claro que os portugueses, no próximo dia 20 de fevereiro, tem duas opções, a continuidade ou a mudança. Notem, porém, que uma mudança real só se fará com uma maioria absoluta. Tenho para mim, que a questão já não é saber quem ganha as eleições, mas em que condições. Outra questão, em aberto, é saber quem vai ser o futuro líder da oposição. Marques Mendes, Dias Loureiro ou Marcelo Rebelo de Sousa?

Li também, no Diário de Notícias de domingo, um artigo sobre o percurso político, e não só, de José Sócrates. Fora o facto de o compararem com Cavaco Silva em termos de personalidade, “quero posso e mando”, fiquei agradado com o que li, especialmente no que se refere à obra feita no ministério do ambiente. Já no plano pessoal, não posso deixar de referir que, ao que parece, na faculdade, a saída de Sócrates junto do público feminino era considerável. Um amigo de faculdade recorda que "Quando chegávamos a um bar, nós íamos beber e ele ia engatar. Era um sucesso!". E esta hein?

domingo, janeiro 23, 2005

Eu não sei quem te perdeu

Quando veio,
Mostrou-me as mãos vazias,
As mãos como os meus dias,
Tão leves e banais.
E pediu-me
Que lhe levasse o medo,
Eu disse-lhe um segredo:
"Não partas nunca mais".

E dançou,
Rodou no chão molhado,
Num beijo apertado
De barco contra o cais.

Abraçou-me
Como se abraça o tempo,
A vida num momento
Em gestos nunca iguais.
E parou,
Cantou contra o meu peito,
Num beijo imperfeito
Roubado nos umbrais.

E partiu,
Sem me dizer o nome,
Levando-me o perfume
De tantas noites mais.

E uma asa voa
A cada beijo teu,
Esta noite
Sou dono do céu,
E eu não sei quem te perdeu.

Pedro Abrunhosa

sábado, janeiro 22, 2005

Contente-se com o que tem; ninguém pode ter tudo.

By Helga Correia [ Ilha do Maio / Cabo verde ]

sexta-feira, janeiro 21, 2005

Conversas da treta. Interessantes. Claro

A propósito do meu post, Uma conversa de nada, alguém me disse que nunca tinha lido algo tão mau. Acredito. Era isso mesmo que queria transmitir. De facto, muitas das nossas conversas, no nosso dia a dia, são isso mesmo, conversas de nada. O que não deixa de ser mau. Como o texto. O pior é que para alguns isso basta. E lá vão vivendo. Divertidos. Conformados. Desinteressados. Felizes.

Por outro lado, há aqueles que nunca têm conversas de nada. E passam o tempo todo a tentar serem interessantes. O que não deixa de, também, ser mau. O pior é que para alguns isso é tudo. Mas, também, lá vão vivendo. Deprimidos. Inconformados. Interessados. Infelizes.

Quanto a mim, tenho dias.

Frase do dia

No Líbano, os livros são lidos de trás para frente. É por isso que Agatha Christie não vende nada por lá! Eugênio Mohallem

Diário de um professor IV

Hoje, ser professor é muito mais do que transmitir matéria. Porém, muitos professores só pensam na tranquilidade para dar as suas aulas. Parece que todos temem as crianças e as suas turbulências próprias da idade. Fazer-se temer, impor a distância, não se deixar levar pelos alunos. Mas ensinar só se reduz a isso? Receamos a tal ponto as crianças e as suas turbulências? É realmente a tranquilidade que nos leva a ensinar? Então é para isso que queremos ser professores? No fundo o que muitos deixam transparecer é o desejo de que as suas aulas sejam como há trinta anos atrás. Será que não dá para perceber que as crianças mudaram, que tudo mudou?

Trapézio

Contamos segundos
Instantes escassos
Caímos mil vezes
Seguidas de abraços;
A dança é divina
Ela vive no ar
Ela voa sem asas
Não quer aterrar

É bom arriscar o salto,
Planar,
Sentir de novo emoção...
É tão bom
Saber que a morte
É falhar
Voar de encontro à tua mão

Jorge Palma

A fé move montanhas, mas eu prefiro dinamite

Cabo Verde / São Nicolau / Baixo Rocha

quinta-feira, janeiro 20, 2005

Procuro sócio para negócio de futuro

Ando com uma ideia para montar um negócio. Inovador, revolucionário. A ideia é simples, mas brilhante. Apesar do segredo ser a alma do negócio, aqui vai : formar uma empresa que resolva tudo, isto é, uma empresa de prestação de serviços, que lhe proporcine uma espécie de secretária particular, assistente pessoal ou acessor da sua inteira confiança, que resolva tudo por si. Quando digo tudo é tudo mesmo. A ideia é muito forte, não acha? Acompanhe o raciocínio. Quem tem uma vida ocupada, sabe que o que custa mais é ter que perder muito do, pouco, tempo livre a resolver problemas do dia a dia. Consomem muito tempo e são uma chatice. Muito bem. Agora imagine, se tivesse uma secretária particular ou um acessor. Certamente, que essa pessoa resolveria esses assuntos por você. Ficava apenas com a missão de decidir, de escolher. O trabalho sujo alguém faria por você. Então porque é que não tem uma secretária particular? Pergunto eu. Ora, dir-me-à que isso é para os ricos e que não tem dinheiro para isso. E se não for tão caro assim? Eu insisto. Para quê ser você a fazer, se outros podem fazer por si. Ainda por cima, melhor. Imagine: quer viajar, mudar de casa, arranjar o carro, comprar um presente, fazer uma festa de aniversário, fazer uma operação, fazer o avio mensal, pintar a casa, deixar o animal nas férias, fazer um discurso, impressionar a mulher ou resolver algum assunto inesperado, telefona ao seu acessor particular, e ele faz por você. Basta um telefonema para o seu acessor e ele resolve, ainda por cima, com a garantia de confidencialidade, competência, rapidez e eficiência. Claro que você pagaria este serviço. Mas tempo é dinheiro. E você apenas estaria a pagar o seu tempo livre, mas com a vantagem de lhe evitar preocupações, estresses e assim, talvez, lhe poupar mais uns anos de vida. Sejam sinceros, quem é que não gostaria de ter a sua secretária particular?

Frase do dia

A diferença entre um relacionamento amoroso e a prisão é que na prisão eles deixam você jogar futebol durante os finais de semana. Bobby Kelton

Uma conversa de nada

Pois é... Pois é, pá. Se não fosse isso, não sei, pá. Ouve lá ... tu sabes como é. Há alturas em que uma pessoa tem de ser ela própria . Tem de decidir, pá. E depois não é só isso, ainda tem montes de outras coisas... um gajo fica às aranhas. Não dá, meu. Não dá mesmo. É que eu não tou pra isso. Tás a ver? Tu sabes que eu sou asim mesmo. Quanda tenho a dizer, digo na cara. è ou não é? Que culpa tenho eu, pá? È pá, isto é assim mesmo, ou um gajo assume ou não. Não me venham cá com histórias da carochinha, que não sei quê e não sei que mais. Ainda por cima não havia avião. A chuva é do caraças. A chuva, pá. Olha lá pró outro, pá. Ele é que fez bem... Também te digo, a vida é mesmo assim, pá. Uma linha recta, meu. Não sei tás a ver? Um gajo não se pode desviar, pá. Isto é mesmo assim. Tou-te a dizer, pá. Independência, meu. Como é que achas que o Bill Gates chegou onde chegou? Linha recta, meu. Fixa isso.

Dia dos Heróis Nacionais

Hoje é, novamente, feriado em Cabo Verde. Comemora-se o dia dos Heróis Nacionais, e em especial, o trigésimo segundo aniversário da morte de Amílcar Cabral, considerado o "pai" da nacionalidade cabo-verdiana.

Tinha previsto aproveitar o dia para fazer uma caminhada, mas, devido à chuva, não vai dar. Por isso, talvez, vá ver um jogo de futebol salão, sempre muito animado e divertido, e, quem sabe, visitar alguém para conversar um pouco. E Pronto, assim se passa, mais um feriado, sem grandes stresses, nem centros comerciais, cinemas, macdonald’s ...

Meu Amor (Agora não fiques para aí a dormir)

Meu amor,
Parece que agora vou seguir sem ti
Subir e descer,
Correr na lama e voar outra vez...

Sei muito bem onde quero chegar
E sei que não há tempo a perder
Que a tua voz me possa encorajar!

Meu amor,
Agora não fiques para ai a dormir...
Um fato de marinheiro
Não chega para se entender o mar.

Espero que aprendas bem a remar
E espero que a luz do teu farol
Te possa sempre iluminar!

Jorge Palma

Os assuntos mais simples são aqueles em que você não entende nada


quarta-feira, janeiro 19, 2005

Boletim metereológico

Chove em São Nicolau. Uma chuva miudinha, mas contínua. Hoje, contrariamente ao habitual, a simples chuva não foi motivo para a escola fechar. De qualquer maneira, a chuva por aqui é sempre uma benção, nem que seja para animar as crianças. A mim só me deprime. Não pela chuva em si, mas por me fazer lembrar Portugal. E aí as saudades batem. Da família, dos amigos.

Notícias que me fazem sorrir! (actualizado)

A primeira encontrei no diário digital e diz que Cientistas britânicos concluíram que deixar a cama por fazer é melhor e mais higiénico. Ora, como sempre, o tempo vem-me dar razão. Estás a ver mãe?

A segunda no Público, dando conta de que um estudo revela que, duas em cada cem mulheres, se consideram bonitas. Será que não têm espelho em casa? Convencidas.

A terceira, e melhor, encontrei também no Diário Digital. Ao que parece, a próxima segunda-feira vai ser o dia mais infeliz e deprimente deste inverno, a acreditar nos investigadores da Universidade de Cardiff. O cálculo é feito a partir de uma fórmula de infelicidade, 1/8W+(D-d) 3/8xTQ MxNA, onde W é o tempo, D é a quantia em dívida, menos o ordenado de Janeiro (d) e T é o tempo que passou desde o Natal. Há ainda que ter em conta Q, o período desde que se falhou numa tentativa de deixar um vício e M, níveis de motivação, assim como NA, a necessidade de agir e fazer alguma coisa quanto à situação. Bem, com isto tudo só me ocorre perguntar, se este pessoal não tem nada que fazer? Ou será que a próxima segunda-feira vai ser pior que hoje? Duvido.

Frase do dia

Certas mulheres podem falar horas a fio sobre qualquer assunto. A minha mulher nem precisa de assunto. Sam Larenson

Diário de um professor III

Não existem alunos iguais e o que pode resultar com um pode ter o efeito completamente contrário com outro. Essa é a grande dificuldade de ensinar mas também o grande desafio que temos pela frente. Não há fórmulas infalíveis e haverá sempre dificuldades. Como lidamos com elas, como as resolvemos, como as evitamos são respostas que nós próprios vamos encontrando e apreendendo.

Deixa cair

Deixa caír
Aposto que não passa do chão
À devida distância
Uma queda pode ser apenas percussão

Deixa morrer
O gesto que começou mal
Depois vai ter tempo
De reconstruir a tua catedral

(...)

Na tua mão
Pressinto um futuro feliz
Tira o lápis da boca
E escreve o que a solidão te diz

Jorge Palma

As aparências iludem!


in Afixe

Frase do dia

A prova de que a natureza é sábia é que ela nem sabia que iríamos usar óculos e notem como colocou nossas orelhas! Jô Soares

terça-feira, janeiro 18, 2005

Até amanha, com mais ânimo, ou talvez não.

Hoje, estou sem paciência para escrever alguma coisa de jeito. Aliás, tenho a sensação que não escrevo nada de interessante há algum tempo. Também depois de escrever tanto post é difícil ser, todos os dias, original, engraçado, interessante, entusiasmante. Ainda para mais, aqui não se passa nada. Que dizer, hoje, até choveu. Motivo suficiente para um bom post. Mas não me apeteceu. Ou melhor, não me apetece. De qualquer maneira, ainda não é desta que vou desistir. Mais, vou continuar a postar diariamente. Mas confesso que, por vezes, perco o entusiasmo, especialmente porque tenho a sensação que ninguém me lê, e assim não vale a pena. Vaidade de vaidades. Tudo é vaidade. Com toda a certeza. O que vale é que, por vezes, aparecem uns comentários que me animam e que me renovam o entusiasmo. É o caso destes e deste. Obrigado.

Sonhadores Inatos

Aprendizes fomos
Construtores fomos
Executores fomos
Cruéis

Inventores sempre
Aventureiros sempre
Oportunistas sempre
Fiéis

Marinheiros bravos
Libertamos escravos
Cultivamos cravos
Tão bem...

Temos alianças
Muitas desconfianças
Temos as nossas esperanças
Também

Sonhadores inatos
Sobreviventes natos
Nem sempre somos exactos
Nem sempre conseguimos evitar os factos
Os actos
Os nossos factos.

Jorge Palma

A ociosidade é a mãe da filosofia


segunda-feira, janeiro 17, 2005

Jornal das Moças, Ano de 1965

A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos.

A desarrumação numa casa-de-banho desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa.

Absurdos politícos

Supondo, com vista a um absurdo, que Santana Lopes ganha as eleições de fevereiro. Será que o mesmo presidente que o demitiu, por falta de competência, credibilidade e não sei mais o quê, vai ter coragem de lhe dar posse?

Mudando velhos hábitos

Como devem calcular, a experiência de estar em Cabo Verde a trabalhar tem sido muito enriquecedora. Possivelmente até me tem feito uma pessoa melhor. Talvez, mais madura, mais compreensiva, mais responsável, mais solidária, mais paciente, mais tolerante. Não sei. Contudo, embora admita algumas mudanças de carácter, penso que, as maiores mudanças na minha pessoa, tenha que ver com hábitos e atitudes. De facto, o que hoje faço está muito condicionado pelas condições que tenho. No entanto, só assim, pude perceber algumas coisas que talvez, de outra forma, não conseguisse.

Exemplo disso é a questão do consumo de água. Apesar de sempre ter tido algumas preocupações com as questões ambientais e ecológicas, nunca me preocupei em poupar água. Nem sequer tinha percebido a sua importância. Talvez, porque nunca pensei que ela pudesse faltar. Foi aqui, em Cabo Verde, devido há enorme carência de água, que já falei num post anterior, que me apercebi da real importância de não desperdiçar água nos consumos inúteis a que me fui habituando ao longo dos anos. Como eu não tinha, acredito que a maior parte das pessoas não tem nenhuma preocupação neste sentido. Por isso é necessário consciencializar todos, para consumirem água apenas na quantidade que realmente se necessita na actividade diária. Ou será que, tal como eu, é necessário passarem uma temporada sem água, para perceberem a sua importância?

Quem espera sempre alcança.

Finalmente já tenho adsl em casa. Agora, posso cumprir um dos meus objectivos para 2005. Reduzir custos, e assim poupar.

Note-se que esta foi a primeira instalação de adsl feita em São Nicolau. Além de ter esperado uma semana e meia pela instalação, houve sempre alguns problemas técnicos... A esse propósito, lembrei-me de alguns casos, que eventualmente ocorreram, num serviço de apoio ao cliente:

CLIENTE: "Não consigo ligar a Internet...
MANUTENÇÃO: "Tem certeza que utilizou a palavra-senha certa?"
CLIENTE: "Sim, tenho certeza. Vi um colega a fazê-lo."
MANUTENÇÃO: "Pode dizer-me qual foi a palavra-senha?"
CLIENTE: "Cinco estrelinhas."
MANUTENÇÃO: ????????

MANUTENÇÃO: "Em que posso ajudar?"
CLIENTE: "Estou a escrever o meu primeiro 'e-mail'. "
MANUTENÇÃO: "OK. Qual é o problema?"
CLIENTE: "Já fiz a letra "a", como e que se faz o circulozinho em volta dela?"
MANUTENÇÃO: Como???

CLIENTE: "A Internet também abre aos domingos?"
MANUTENÇÃO: Como???????

Rescaldo

Finalmente tenho um fim de semana futebolístico à maneira. O Benfica ganhou, o Porto empatou e o Sporting perdeu. Hoje já não vou ter que ouvir os meus alunos, uma grande maioria do Porto, a gozarem comigo e com o meu Benfica. Também já não era sem tempo. De facto, com os rivais a jogarem desta forma, se o Benfica não ganhar o campeonato este ano não sei quando o fará.

Dá-me lume

(...)
Se eu fosse compositor
Compunha em teu louvor
Um hino triunfal
Se eu fosse crítico de arte
Havia de declarar-te
Obra-prima à escala mundial
Mas eu não passo dum homem vulgar
Que tem a sorte de saborear
Esse teu passo inseguro
E o paraíso no teu olhar

Jorge Palma

domingo, janeiro 16, 2005

O diabo anda por aí ...

by Anabela

sábado, janeiro 15, 2005

Baixo Rocha

Este sábado vou passear até à única praia de areia branca da ilha e assim, para vossa inveja, ter a oportunidade de dar uns mergulhos no mar quente de São Nicolau e apanhar um pouco de sol. Porém, até lá chegar, ainda vou ter que suar um pouco. Uma hora de carro mais uma hora a pé. Mas vale bem a pena.

Frase do dia

Adoro Beethoven, especialmente os poemas! Ringo Starr

Perguntou a Marta: Porque não escreves um texto sobre as ruas em que te perdes?

O texto que publico, em baixo, foi o primeiro texto que li da Liliana. Tinha ela, talvez, 14 anos. Este texto, também publicado no Diário de Notícias de então, é, na minha opinião, excelente. Especialmente, se nos imaginar-mos no alto Alentejo, Ponte de Sor, num daqueles dias quentes de verão. A Liliana não é nenhuma colaboradora, intencional, deste blogue. Pelo contrário, eu é que a obrigo a dar-me uns textos, de forma a poder colmatar a minha grande falta de talento para a escrita.

As ruas em que me perco

É nestas ruas que me perco. Caminho sob o sol, entre as crianças que brincam. Estou rodeado de casas baixas e pobres, rodeado de homens de pele nua e queimada. Nas paredes que reflectem o calor há um buraco negro e fresco. Nestas ruas a frescura da escuridão através da porta é um chamamento. E eu estou nas vozes do homens, nos cumprimentos dos jovens. Sou os copos e as pingas que transbordam. Existo nos comentários sobre o calor que não se pode, a cada entrada. Quando saio o sol das três da tarde bate impiedoso nos passeios. As mulheres mais velhas falam em círculos imperfeitos à porta de casa. Cantam as novidades até as palavras se evaporarem. As mulheres mais novas abrem as portas, muito de vez em quando, e lançam baldes de espuma e água nas pedras do passeio. Essa água que se transforma em fogo são labaredas que sinto nos pés quando passo. Na sujidade molhada do passeio um incêndio cresce pelo ar. É nestas ruas de uma brancura sofrida que me perco nas tardes.

Porque quando chego a casa chega a consciência das minhas feridas. Ao entrar nesta frescura diferente, sem o cheiro a álcool e suor, sinto o sangue que passou a camisa, sinto a dor por todo o corpo. E ver as minhas raparigas, as minhas meninas pequenas, com olhos reprovadores... A minha mulher já nem olha quando eu entro. Ela foi criada por um qualquer deus complexo, limita-se a dizer a sua hostilidade em palavras silenciosas, Enquanto acaba uma toalha de mesa ou um naperon. A minha mulher tem as mãos tão bonitas, rápidas. Mas já não tenho coragem para lhe dizer isso. Cambaleio para o sofá, afundo-me. A cada pedaço de ar que inspiro, as minhas têmporas parecem rebentar. E as minhas duas filhas saem da sala, sem serem as mesmas que vinham a correr com um sorriso do tamanho do mundo sempre que eu chegava a casa. Agora são grandes e evitam olhar-me. Odeiam-me.

À noite fico deitado na cama de olhos fixos no tecto. Sinto o corpo torpe e não consigo dormir. Desisto e levanto-me. Ando como um fantasma pela casa. Ouço os sons das torneiras a pingar, os objectos. Caminho como um leão enjaulado. Volto ao quarto. Vejo os cabelos dela na almofada. É só uma questão de tempo até ser ela a desistir de mim. «bêbado». Saio. Na rua as luzes são mórbidas. «bêbado». As poucas estrelas são o limite desfocado. «bêbado». A porta de escuridão está fechada na escuridão da noite. Sento-me num passeio sujo destas ruas estreitas e espero pela manhã e pelo taberneiro.

Liliana Moita

Para um bom entendedor... meia pala bas!


sexta-feira, janeiro 14, 2005

Frase do dia

Nunca confie numa mulher que diz a sua verdadeira idade. Se ela diz isso é capaz de dizer qualquer coisa. Oscar Wilde

As crianças

Uma das coisas que mais me tem impressionado, em Cabo Verde, é a alegria das crianças. Ainda para mais porque sei que nem sempre levam uma vida fácil. Muitos, não vivem com os pais, não têm brinquedos comprados, ténis ou televisão. Alguns, nem sequer electricidade, água ou comida. Contudo, apesar de enigmático, conservam um sorriso natural, espontâneo e contagiante. Não sei explicar bem porquê, mas talvez seja porque são mais livres, no sentido em que ninguém os condiciona nas brincadeiras o que, talvez, possibilite que sejam mais naturais e ,por isso, mais alegres.

Além de me parecerem felizes, estas crianças conservam um grande espírito de solidariedade. Deixem-me dar um exemplo, para perceberem do que falo. Perto da escola, existe um campo de futebol de salão em cimento. Nesse campo, por mais do que uma vez, já assisti a 3 jogos de futebol em simultâneo, com 6 equipas, 3 bolas distintas e apenas 2 balizas. Os jogos decorrem normalmente, mas ao mesmo tempo, com os guarda redes a revezarem-se nas balizas, conforme a proximidade da bola do seu respectivo jogo. O mais incrível é que os jogos ocorrem sem problemas, onde ninguém interfere, intencionalmente, no jogo que não é o seu. Claro que, de vez em quando, uns levam umas boladas, mas ninguém se queixa, pois isso também faz parte do jogo. Parece impossível imaginar, mas de facto, é algo lindíssimo, porque tudo parece estar, de alguma forma, coordenado, como num bailado.

Como Dizia o Poeta

Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão.

Vinicius de Moraes

Para viajar basta existir

Brasil / Fortaleza / Lagoinha/Agosto 2004

quinta-feira, janeiro 13, 2005

Feriado

Hoje é feriado em Cabo Verde. Dia da Liberdade e da Democracia. Assim, vou aproveitar o dia para dar um passeio pelas montanhas, tirar umas fotos e descansar um pouco desta rotina diária. Também mereço.

Frase do dia

Quando eu era pequeno, meus pais descobriram que eu tinha tendências masoquistas. Então passaram a bater-me todo dia, para ver se eu parava com aquilo. Woody Allen

Um dia na América

Ontem, regressado de férias da América, chegou a São Nicolau o meu amigo Jack, Peace Corp Americano. Dizia-me ele que quando chegou à América sentiu-se um pouco estranho e incomodado, especialmente porque os amigos, que ele não via há dois anos, desde o fim da universidade e vinda para Cabo Verde, só lhe falavam do emprego, do carro, da casa, do cão, do plasma,... quando ele só tinha roupa e uma guitarra...

Contudo, parece que as suas férias foram muito animadas, cheias de jantares, festas e ... mulheres. Diz ele que descobriu uma táctica infalível para cair nas boas graças das americanas. Ao que parece, por lá, basta dizer que se faz trabalho voluntário em África, para elas ficarem logo derretidas. E eu, fiquei a pensar para mim, porque não me lembrei disso?!

Blogues favoritos

Ontem decidi perder um pouco do meu tempo e, como devem ter reparado, agora, o Coisas Breves tem links directos para os meus blogues favoritos. Favoritos no sentido em que, todos os dias, faço questão de dar uma espreitadela por lá. Ficam as sugestões, sempre sujeitas a actualização. Claro.

Podem falar

(...)
Podem falar, podem falar,
Que o meu lugar é andar e o meu passo é correr
De vez em quando a cantar de vez em quando a sofrer.
Podem falar, podem falar,
Mas estão a perder tempo se pensam que um dia me hão-de amarrar.

Jorge Palma

Tenho em mim todos os sonhos do mundo!


quarta-feira, janeiro 12, 2005

Restos de Palavras

Hoje o meu irmão Daniel, que está no Brasil, informou-me que também tem um blogue. Também ele não resistiu ao apelo e encanto bloguista e abriu o Restos de Palavras . Daqui lhe envio um abraço de boas vindas. Certamente, que serei um dos seus leitores assíduos porque, estou convencido, que ele tem muito a nos dizer. Passem por lá e confirmem.

Placa afixada numa casa de banho masculina

Se você não tem pontaria, sente-se!

10ºA / Emídio Navarro /2001-02

Quando recordo o meu ano de estágio, como professor de Matemática, na Escola Sec. Emídio Navarro, fico sempre com um sorriso nos lábios. Recordo-me do primeiro dia, ao entrar pelo portão da escola, o caminho ser-me barrado por um contínuo, pensando que eu era um aluno. Foi, de facto, um ano marcante, inesquecível, em que tive experiências muito gratificantes e enriquecedoras mas onde também, pela primeira vez, me confrontei com medos, incertezas, dificuldades e dilemas que até então eram-me totalmente desconhecidos.

Vem isto a propósito porque, recentemente, tenho tido oportunidade de falar com alguns dos meus alunos de então. Foram alunos extraordinários. Tenho para mim que só daqui a muitos anos terei uma turma tão boa como aquela. Não sei se fui bom professor ou não. Eles o dirão. Mas, não deixa de ser engraçado e recompensador revê-los. Apesar de nem sempre me conseguirem tratar por tu a diferença deles para mim é, hoje, nula. Deixaram de ser alunos, para se tornarem amigos, colegas, o que quiserem. Agora, quase todos, estão na universidade o que me deixa com um enorme orgulho. Afinal, por pequena que fosse, também fiz parte da sua formação, como alunos e, espero, como pessoas.

Citação

Se não fossem as mulheres o homem ainda estaria em uma caverna comendo carne crua. Nós só construimos a civilização a fim de impressionar as nossas namoradas.

Orson Welles

Ponto de ordem

Alguns amigos, têm-me perguntado se eu vou votar Sócrates ou não. A resposta é sim. Essencialmente, por três razões. Primeiro, porque o país precisa de uma mudança e de gente competente, credível, com iniciativa e novas ideias. Segundo, porque Santana Lopes não me merece nenhuma credibilidade e não lhe reconheço competência para ser 1º Ministro nem capacidade de mobilizar pessoas competentes para o seu governo. Terceiro, porque acredito que o PS é o partido que vai ganhar as eleições e, sendo assim, quero que obtenha uma maioria absoluta.

Além do tempo

Esse amor sem fim, onde andará?
Que eu busco tanto e nunca está
E não me sai do pensamento
Sempre, sempre longe

Esse amor tão lindo que se esconde
Nos confins do não sei onde
Vive em mim além do tempo
Longe, longe, onde?

Por que não me surges nessa hora
Como um sol
Como o sol no mar
Quando vem a aurora

Esse amor que o amor me prometeu
E que até hoje não me deu
Por que não está ao lado meu?

Esse amor sem fim, onde andará?
Esse amor, meu amor,
Onde andará?

Vinicius de Moraes

Será que este mundo é o inferno de outro planeta?


terça-feira, janeiro 11, 2005

Benfica e Zahovic rescindem contrato!

Até que enfim que o Benfica me dá uma alegria! já não era sem tempo. Agora só falta acontecer o mesmo a outros dez!

É mais fácil sustentar dez filhos que um vício.

A Silvia, enviou-me uma notícia que pode, de alguma forma, resolver os meus problemas financeiros mais imediatos. Ainda para mais, fica na área de residência dos meus pais:

A Junta de Freguesia de Galveias, em Ponte de Sor, Portalegre, anunciou que vai pagar 500 euros por cada criança que nascer na vila. Apesar de ser uma das juntas de freguesia mais ricas do país, está a sofrer com a desertificação. Actualmente, conta apenas com dois mil habitantes e quer mudar este cenário.

in Máxima

O que se fala por aí!

Impulsionado por um comentário, cheio de revelações estrondosas, a propósito de um post meu sobre o eng. Sócrates, vejo-me obrigado a reproduzir aqui um excelente post do Tiagão:

Li, já em mais do que um blog, que esta mensagem (Sócrates é gay) anda a circular pela internet ou pelos telemóveis.
Virei-me para um amigo e disse-lhe isto: Anda a circular na net que ...
Resposta: Então ainda não sabias? Já há muito tempo que se fala nisso, nele e nos outros todos!
E eu, atarantado, pergunto-lhe: Os outros todos, quem?
O Platão, o Aristóteles.........

Pois...

Frase do dia

Loucura é hereditária, a gente herda dos filhos.
Léa Waider

Hora Crioula

De facto, Cabo Verde é o local indicado para desenvolver a paciência. Se existe a pontualidade britânica, aqui, em oposto, existe a hora crioula. A hora crioula é mais ou menos 45 minutos depois da hora marcada. Toda a gente rege-se pela hora crioula. Até eu, que sou o ser mais pontual que conheço. Mas, a verdade é que cansei de esperar continuamente. Pior, cansei que achassem graça de eu chegar a horas.

A hora crioula está tão enraizada nas pessoas que acaba por ter efeitos muito perversos na sociedade, especialmente na produtividade e na qualidade dos serviços. Por exemplo, estou há 6 dias à espera que me instalem a ADSL em casa. Estou farto de telefonar a reclamar e ninguém se incomoda. Haja paciência.

Menos um porquê na minha vida!

Pois bem, acabam de me dizer porque carga de água se escreve LOL, como significado de risos, na linguagem cibernética. A resposta é muito simples. LOL vem do inglês Lots Of Laughs. Desculpem a ignorância. Mas confesso que esta dúvida já me estava a incomodar há algum tempo. Agora, pronto, sinto-me outro.

As sem razões do amor

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no elipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade

Existem dois tipos de gosto: o bom gosto e o mau gosto.


Picasso

segunda-feira, janeiro 10, 2005

Frase do dia

Se você está se sentindo bem, não se preocupe. Isso passa.

Efeito Borboleta

Ontem revi um dos filmes que gostei mais de ver nos últimos tempos. Efeito Borboleta. Este é um daqueles filmes que põe um gajo a pensar. A história, em traços simples, é a de um rapaz (Evan) que descobre uma forma de alterar algumas coisas do seu passado. Para isso ele decide realizar uma regressão, onde volta também fisicamente ao seu corpo de criança, revivendo e alterando determinadas situações. Ele altera atitudes e muda completamente o seu destino, de sua namorada e amigos. Porém ao tentar corrigir alguns dos seus antigos problemas ele termina por criar novos, já que toda mudança que realiza gera consequências em seu futuro. Mas Evan rapidamente descobre que ter o dom de manipular o passado, não significa controlar o futuro.

Quantos de nós já não pensámos que se tivéssemos tomado, num determinado momento, uma decisão em vez de outra que hoje a nossa vida seria completamente diferente? Pois bem, o filme explora essa ideia ao limite, e faz-me pensar que, mesmo em momentos chaves da minha vida, se tivesse decidido de outra forma, não significaria que hoje estaria melhor. Nós somos o nosso passado e se o nosso passado fosse outro seríamos talvez também outros, não necessariamente melhores ou piores, simplesmente diferentes. Por outro lado, relembra-me que as decisões que tomo hoje podem ter uma grande importância no meu futuro, destino, sei lá. Mesmo as mais insignificantes.

Nota: O título deste filme tem origem na Teoria do Caos, segundo a qual pequenas diferenças nas condições iniciais de um sistema podem conduzir a diferenças bastante significativas no resultado final. Em 1961, Edward Lorenz trabalhava num modelo computacional de previsão meteorológica. Num procedimento, em vez de colocar o número inicial 0,506127, arredondou-o para 0,506. A diferença de apenas milésimos provocou resultados finais totalmente distintos e com erros catastróficos. Daí aquela frase “um bater de asas de uma borboleta em Portugal poderá provocar um tornado na Austrália”. Isto é o Efeito Borboleta.

Principezinho - O meu livro favorito

E foi então que apareceu a raposa:
(...)
- Vem brincar comigo, propôs o princípe, estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Ainda não me cativaste.
- Ah! Desculpa, disse o principezinho. Após uma reflexão, acrescentou:
- O que quer dizer cativar ?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro amigos, disse. O que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa criar laços...
- Criar laços?
- Exactamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um rapazinho inteiramente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu não precisas de mim. Mas, se tu me cativares, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
(...)
- Por favor, cativa-me! disse ela.
- Bem queria, disse o principe, mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativa, disse a raposa. Os homens não tem tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me! Os homens esqueceram a verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"

Antoine de Saint-Exupéry

Eu já não sou o que era: devo ser o que me tornei!


Narcissus

domingo, janeiro 09, 2005

Citação

Vaidade de vaidades, tudo é vaidade.

Eclesiastes 1:2

Dois parágrafos

Estava eu a organizar os ficheiros no meu computador, quando dei de caras com mais um texto da Liliana. Um grito de raiva, do qual hoje partilho. Aqui ficam dois parágrafos.

Na sombra de filosofias à lareira, a altas horas de uma noite de Inverno, percebemos que a nossa vida é um poema lamechas demasiado preocupado com a rima e a métrica para fazer sentido. As lágrimas são tão frequentes como os acenos de adeus, mas raras são as vezes em que nos purificam e nos deixam adormecidos, congelados no bloco de gelo que se formou à nossa volta. E tão poucos são os dias em que podemos dizer que o que sentíamos não foi engolido pelos gritos da cidade.

Não vou chegar ao cúmulo de confessar que tudo o que queria neste momento era tomar uma cápsula para crescer e gigante, com o meu pé gigante, esmagar a tua casa e tudo o que há dentro dela e nunca me mostraste. E ver-te, pequeno, ridículo, com o pavor e arrependimento nos olhos, lá tão em baixo paralisado em frente à destruição. E então aí, depois do sofrimento de não poderes contar com mais nada no mundo além do teu corpo comicamente acanhado, esmagar-te deixando só a cabeça de fora, para ver o leve estertor da morte na tua cara inchada pela compressão do sangue nas veias. (...)

By Liliana Moita

Sporting 2 - Benfica 1

A jogarem assim, não há benfiquismo que aguente. Começo a ficar sem argumentos. A não ser por isto (roubado do Alma Benfiquista):

- A razão natural: a mulher dá à Luz, não dá às Antas nem a Alvalade.
- A razão bíblica: há uma passagem na bíblia que diz: " dominarei os leões e os dragões e voarei para o céu sobre as asas de uma águia".
- A razão teológica: Jesus Cristo encarnou, não azulou ou esverdeou.

Quando tudo parece estar ao contrário


Escher

sábado, janeiro 08, 2005

Frase do dia

O sol nasceu para todos... a sombra só para alguns.

Vamos aos Saldos?

Muita gente tem a ideia que com 5 euros, em Cabo Verde são reis e senhores. Desenganem-se. Hoje, por exemplo, fui às compras, essencialmente comida, e gastei 100 euros, sem, no entanto, trazer nada de significativo para casa. As coisas, em Cabo Verde, têm pelo menos o dobro do preço do que em Portugal. De facto, muitos dos produtos vendidos acabam por ser os mesmos, acrescidos dos custos de viagem e dos ganhos dos, pelo menos, dez intermediários.

Esta realidade acaba por ser chocante, pois a maior parte da população não trabalha e os que têm trabalho, têm um ordenado médio a rondar os 100 euros. Ainda para mais, com a enorme carência de água, já são poucos os que conseguem ter a sua própria horta ou animais. Assim, devem estar a perguntar-se, como consegue a população sobreviver? A questão é para mim recorrente. Dizem-me que é á custa do dinheiro vindo da emigração e de uma vida de sacrifício, restringida ao essencial, isenta de luxos e de custos supérfluos.

Pergunta-se o Jorge, no Africanidades, “como podemos nós, ocidentais, lidar com a nossa condição, sem nos sentirmos culpados por isso? Será que nos devemos sentir culpados? Porque temos nós tudo e outros tão pouco ou nada mesmo? O que podemos fazer para diminuir esse fosso? E como fazer para não tornar esse fosso cada vez maior?”

Lei de Causa Efeito

Os Homens mentiriam bem menos se as Mulheres não perguntassem tanto!...

Fazer o que tem de ser feito

Estou farto de ver o país refém de acordos de conveniência e de interesses partidários, quase sempre castradores de algum laivo reformador. Todos exigem mudanças profundas e reformas nas políticas governativas. Mas fazer reformas não é fácil. Os resultados de uma reforma não aparecem no imediato. È impopular, faz perder votos, mexe com interesses instalados e por vezes dói. Assim, para “fazer o que tem de ser feito” é necessário coragem e acima de tudo condições políticas. Ou seja, é necessário um governo de gente competente, sem medo de ser criticado ou de não ser reeleito, apoiado por uma maioria. Absoluta, para não haver desculpas. Infelizmente ainda existe um trauma pós-cavaquista quanto às maiorias absolutas. Para gáudio de alguns, pena minha e desgraça do país.

P.s. Ainda a este propósito, para quem tem tempo, a não perder, este Manifesto Anti-Lopes , do Paulo Querido. É do melhor que anda por aí. Garanto.

Citação

O político pensa na eleição seguinte; o estadista na geração seguinte.

James F. Clarke

Por uma Maioria Absoluta

Não posso estar mais de acordo com o Presidente da República quanto à necessidade de mudar a lei eleitoral para assegurar maiorias estáveis. A minha ideia é que se reduza, significamente, o número de deputados. Não se vai notar nada, pois a maior parte deles é como se não existissem!De facto, ainda não percebi a utilidade de 230 deputados, a não ser para defender alguns grupos de interesses e premiar amiguinhos políticos.

Eu sei lá

Eu sei lá
Se tu te estás bem nas tintas
Para aquilo que eu vou dizer.
Eu sei lá
Se vais fazer duas fintas,
Embarcar no teu copo e esquecer ...

Mas mesmo assim vou-te contar
A história de um homem vulgar
Que se convenceu que um dia um dia havia de enriquecer
E o gajo andou de lugar em lugar,
Passou toda a vida a fuçar,
Para poder comprar um caixão de luxo e adormecer...

Jorge Palma

Acho que está na altura de me darem umas alegrias, não?


sexta-feira, janeiro 07, 2005

Diário de um professor (III)

Sei como é importante transmitir alegria e segurança aos meus alunos. Se mostro não gostar de uma matéria eles também não gostarão; Se mostro estar aborrecido na aula eles ficarão aborrecidos; Se não mostro prazer em ensinar, eles não terão prazer em aprender.

Contudo, há certas aulas que me deixam frustrado, desanimado, chateado. Em especial, aquelas aulas em que o empenho por mim manifestado, tanto na sua preparação como na sua execução, não é devidamente recompensado pelos alunos. Preocupo-me em explicar bem e eles nem sequer ouvem.

Sei, porém, que vou ter muitas aulas destas e só espero que continue a ficar chateado, pois é sinal de que eles ainda não me são indiferentes. De facto, se ignorarmos os nossos alunos não nos vamos preocupar com a nossa maneira de dar aulas e aí começaremos a ficar negligentes. E ficando negligentes tornamo-nos, inevitavelmente, maus professores.

Lei da promoção natural

Quem trabalha muito, erra muito. Quem trabalha pouco, erra pouco. Quem não trabalha não erra. E quem não erra é promovido ...

A campanha começou

Tenho uma amiga que me disse que conhece uma pessoa que lhe jurou que uma colega lhe disse que ouviu dizer a uma amiga que uma vizinha da sua empregada contou que tinha ouvido uma pessoa dizer que o marido da dita empregada disse que o José Sócrates era gay.

Nota: Nas últimas semanas tem, insidiosamente, circulado nos telemóveis e na internet um boato a identificar o conhecido actor com quem, supostamente, um dos candidatos a primeiro-ministro teria uma relação amorosa.As coincidências são tantas que começo a desconfiar que estamos em presença de uma miserável operação de terrorismo eleitoral, pensada e executada subterraneamente por uma qualquer central de intoxicação da opinião pública. In abnóxio

Pensamento do dia

"A celulite é uma defesa orgânica feminina. O organismo coloca no rabiosque das mulheres o excesso de gordura em vez de entupir as artérias. Por isto, os homens têm mais enfartes do que as mulheres."

in Blogotinha

As férias, o Natal e a Passagem de Ano

As férias foram boas apesar de, como sempre, terem sabido a pouco. De qualquer forma, já tinha saudades de São Nicolau. Nem que seja deste calor. Porque aquele frio de Portugal não deixa saudades nenhumas. Obviamente que estou a falar do tempo. Ou não.

O Natal também foi bom. Em família, como todos os Natais deveriam ser. Porém, constato que, cada vez, recebo menos prendas (mas algumas boas!). Estou a ficar velho. Ou então os anos estão a ficar mais pequenos.

A passagem de ano foi diferente. De facto, estive das 22 horas às 6 horas da manhã sentado numa mesa a conversar com uns amigos. Mas foi muito agradável e divertido, especialmente porque tive oportunidade de conhecer novas pessoas. Pessoas interessantes. E olhem que isso, hoje em dia, é raro.

Aproveito para desejar a todos um bom ano de 2005, cheio de coisas boas.

Voltei

Estou de volta. A Cabo Verde. Ao trabalho. Ao Blogue. Não sei se sentiram falta das Coisas Breves. Eu senti. Estava com vontade de voltar a escrever aqui. No meu pequeno diário. Continuo sem perceber porque insisto nisto. Se por prazer ou por vício.

Passeio dos Prodígios

Vamos enganar o tempo
saltar para o primeiro combóio
que arrancar da mais próxima estação!
Para quê fazer projectos
quando sai tudo ao contrário?
Pode ser que, por milagre,troquemos as voltas aos deuses

Entre o caos e o conflito
a vontade e a desordem
não podemos ver ao longe
e corremos sempre o risco de ir longe demais

Somos meros transeuntes
no passeio dos prodígios
somos só sobreviventes
com carimbos falsos nas credenciais

Vamos enganar o tempo...

Jorge Palma

Adoro borboletas!